Mediunidade

Quem são os médiuns na atualidade?

Os médiuns, em sua generalidade, não são missionários na acepção comum do termo. São almas que fracassaram desastradamente, que contrariaram, sobremaneira, o curso das leis divinas e que resgatam, sob o peso de severos compromissos e ilimitadas responsabilidades, o passado obscuro e delituoso. (Emmanuel, p. 65 e 66)

Quase sempre, são Espíritos que tombaram dos cumes sociais, pelos abusos do poder, da autoridade, da fortuna e da inteligência e que regressam ao orbe terráqueo para se sacrificarem em favor do grande número de almas que desviaram das sendas luminosas da fé, da caridade e da virtude. (Obra citada.)

“Não existe médium perfeito aqui na Terra”, afirma Divaldo Franco. “Todos somos falíveis, exceção apenas de Jesus, que foi o médium perfeito de Deus, no exemplo e na revelação das Leis Divinas.” (Moldando o Terceiro Milênio, p. 40)

Os atributos medianímicos, afirma Emmanuel, “são como os talentos do Evangelho”. “Se o patrimônio divino é desviado de seus fins, o mau servo torna-se indigno da confiança do Senhor na seara da verdade e do amor. Multiplicados no bem, os talentos mediúnicos crescerão para Jesus, sob as bênçãos divinas; todavia, se sofrem o insulto do egoísmo, do orgulho, da vaidade ou da exploração inferior, podem deixar o intermediário do invisível entre as sombras pesadas do estacionamento, nas mais dolorosas perspectivas de expiação, em vista do acréscimo de seus débitos irrefletidos.” (O Consolador, questão 389.)